Grupo Oxigênio Hiperbárico

Grupo Hiperbárico Sobre Nós

Um grupo de médicos intensivistas do Pronto Socorro do Hospital das Clínicas de São Paulo, que, em 1992 estruturaram e colocaram em operação o Serviço de Oxigenoterapia Hiperbárica do Hospital das Clínicas que se manteve em pleno funcionamento por dez anos.

Durante esse período, foram criadas a Escala de Gravidade da USP e o Sistema de Classificações das Lesões, posteriormente adotados como recomendação da Sociedade Brasileira de Medicina Hiperbárica (SBMH) e mais tarde tornadas obrigatórias pela ANS. A partir de 1994 criamos o Serviço de OHB do Hospital 9 de Julho, o Serviço de OHB do Hospital Santa Cruz e a Clínica Multiplace Pacaembú.

Um pouco da História...

Na década de 60, nos Estados Unidos e na Europa foram lançados os princípios científicos que devem ser respeitados no uso de oxigênio hiperbárico para o tratamento de várias doenças, assim como acidentes de mergulho, envenenamento e intoxicações.

Pacientes na camara hiperbarica

No Brasil, em ambiente universitário, em 1985 foi instalada pioneiramente uma câmara multiplace no Hospital Universitário da UNICAMP, operada na época pelo Dr. Paulo Iazzetti e que foi desativada e removida em 2005, devido ao falecimento precoce do seu idealizador.

Na aplicação de tratamentos hiperbáricos se desenvolveu muito desde então, graças a criação para uso comercial de câmaras do tipo monoplace, que são relativamente portáteis, de uso intrahospitalar, comportam um paciente por vez e não necessitam de máscaras nem capuzes pois a câmara é pressurizada diretamente com oxigênio puro.

No final dos anos 80 foi importada pelo Hospital das Clínicas da USP uma câmara hiperbárica monoplace de procedência americana, marca Sechrist modelo 2500, graças à visão avançada do então superintendente, Prof. Vicente Amato Neto. A câmara foi instalada e iniciou suas operações em 1992.

Esta foi a primeira câmara monoplace intrahospitalar colocada em uso na América Latina.

Por determinação do Prof. Dario Birolini, responsável pela disciplina de Cirurgia do Trauma, a câmara ficou ligada à Terapia Intensiva Cirúrgica do Pronto Socorro do Hospital das Clínicas. A UTI do PS do HC se destinava a pacientes portadores de traumas graves e cirurgias de urgência, que são os tipos mais complexos de doentes, geralmente com múltiplas insuficiências orgânicas. Em 1999 o Serviço de OHB foi um dos escolhidos pela Revista Veja para exemplificar a missão de salvar vidas do Hospital das Clínicas

Inicio dos Cursos de Medicina de Hiperbárica

Maquina de Oxigenoterapia Hiperbárica

Esse Serviço deu origem todas as regulamentações do emprego clínico da oxigenoterapia hiperbárica no Brasil, até então não regulamentada.
Desde 2000 o corpo clínico dos médicos do Serviço da USP vem ministrando o "Curso de Extensão Universitária em Medicina Hiperbárica" com duração de uma semana e prova final obrigatória para certificação. Esse curso foi patrocinado pela USP até 2008 e desde então está sendo patrocinado pela SBMH e chegou a ser ministrado duas vezes ao ano em alguns anos. Desde 2010 a SBMH patrocina também o de Extensão Universitária em Enfermagem Hiperbárica" e desde 2013 o Curso de Técnicos Hiperbáricos (operadores de câmaras e guias internos).

Médicos responsáveis

• Marise Ferraz Rossi de Souza
o CRM-SP 59728
o Médica Cardiologista. Medicina Hiperbárica pela SBMH

• Luiz Antonio C. Bodon
o CRM-SP 69796
o Médico Cirurgião Plástico. Medicina Hiperbárica pela SBMH

• José Augusto Monteiro
o CRM-SP 69927
o Médico Cirurgião Geral. Medicina Hiperbárica pela SBMH

• Mariza D’Agostinho Dias
o CRM-SP 12712
o Médica Intensivista. Medicina Hiperbárica pela SBMH

• Luciana Martins Menegazzo
o CRM-SP 52631
o Médica Nefrologista. Medicina Hiperbárica pela SBMH

• José Fernando T. de Sousa
o CRM-SP 56128
o Cirurgião Vascular. Medicina Hiperbárica pela SBMH